terça-feira, 27 de setembro de 2011

De volta para minha terra

Como vai querido(a) ? Que a paz de Cristo esteja contigo hoje e sempre!

Acredito que a grande parte das pessoas já de ter assistido à programas os quais o intuito é levar pessoas que saíram do local que viviam para tentar a vida em outro lugar, mas não dando um resultado positivo gostariam de voltar pra casa.O tema de hoje é justamente este, voltar pra casa!

A Bíblia nos conta uma história muito interessante; o povo de Israel era mantido em cativeiro pela nação Babilônica. Uma das formas para controle de um povo escravo é a "liberdade" de crença que seus dominadores permitem. Um exemplo são os africanos que foram trazidos ao Brasil na época colonial, hoje escravismo e racismo são crimes punidos legalmente, neste período não era bem assim. Navios negreiros partiam para a África negociar com povos regionais seus escravos, trocando por especiarias, bebidas,etc. Após a negociação viajavam até a costa brasileira onde negociavam a venda dos mesmos. Os escravos eram leiloados e vendidos aos senhores de engenho, que levavam estes indivíduos para trabalharem forçadamente em suas plantações. Mas algo interessante era preservado, suas tradições religiosas, danças...Este podemos dizer era o "principal" motivo pelo qual o escravo permanecia vivo. Em nossa narrativa bíblica temos algo semelhante com o incentivo dos opressores sobre os escravizados:

Salmos 137
 1 Junto aos rios da Babilônia nós nos sentamos e choramos com saudade de Sião.
 2 Ali, nos salgueiros penduramos as nossas harpas;
 3 ali os nossos captores pediam-nos canções, os nossos opressores exigiam canções alegres, dizendo: “Cantem para nós uma das canções de Sião!”

Essa tentativa de incentivo à cultura, nada mais é do que uma forma de dominação. Mas como poderiam cantar se eram escravos? Estavam longe de sua Jerusalém.

 4 Como poderíamos cantaras canções do Senhor numa terra estrangeira?
 5 Que a minha mão direita definhe, ó Jerusalém, se eu me esquecer de ti!
 6 Que a língua se me grude ao céu da boca, se eu não me lembrar de ti, e não considerar Jerusalém a minha maior alegria!
 7 Lembra-te, Senhor, dos edomitas e do que fizeram quando Jerusalém foi destruída, pois gritavam: “Arrasem-na! Arrasem-na até aos alicerces!”
 8 Ó cidade de Babilônia, destinada à destruição, feliz aquele que lhe retribuir o mal que você nos fez!
 9 Feliz aquele que pegar os seus filhos e os despedaçar contra a rocha!



Cantar traz alegria ao coração, faz bem. Então porquê não cantavam? Porque estavam longe de casa, e lá era o lugar o qual eles mais almejavam estar. Hoje nós também estamos longe de casa. 

João 14
 1 Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.
 2 Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar.
 3 E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também.


Aqui não é o seu lugar, nossa casa está distante de nossos olhos. Porém podemos pela fé na segunda vinda de Cristo podemos avistá-la. A Nova Jerusalém, local onde não mais haverá morte, dor ou sofrimento. Finalmente estaremos em casa. A motivação que temos hoje não é para que o governador maligno do mundo consiga nos "manter cativos"; nossa canção é para celebrar pois o Cordeiro já realizou o sacrifício e está prestes a voltar. Que a cada dia eu e você possamos estar mais próximos de Deus, conhecer, e realizar suas vontades.

*Nota: O blog é contra qualquer tipo manifestação racista ou escravista.

Nenhum comentário: